Acidente na Bahia: Habilitação de piloto estava vencida há 6 anos


Desde 2005, empresário não renovou licença para conduzir helicóptero que caiu na Bahia

O empresário Marcelo Mattoso de Almeida, 48 anos, que pilotava o helicóptero modelo Esquilo PR-OMO — que caiu sexta-feira na Praia de Itapororoca, em Porto Seguro (BA), com sete pessoas, incluindo a namorada do filho do governador Sérgio Cabral —, estava há seis anos com habilitação vencida para esse tipo de aeronave, segundo o site da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Quatro pessoas morreram no acidente e três estão desaparecidas.

Buscas perto da Praia de Ponta de Itapororoca foram interrompidas no fim da tarde de sábado 
Foto: João Souza / A Tarde

A página de consulta de licenças da Anac mostra que, como piloto privado de helicóptero desde 17 de julho de 2000, Marcelo era habilitado para conduzir quatro tipos diferentes de helicópteros, mas todas as autorizações estavam fora do prazo de validade. Além disso, seu certificado de capacidade física, expedido pelo Centro de Medicina Aeroespacial (Cemal), expirou em 30 de agosto de 2006.

Pelo documento, o tipo de habilitação H350 (que autorizaria Marcelo a conduzir o PR-OMO) venceu em junho de 2005. Na mesma situação se encontravam as permissões para os seguintes modelos, todos de pequeno porte: BH06 (que não era renovada desde outubro de 2004), EC30 (desde dezembro de 2006) e RHBS (desde julho de 2005).

Uma hipótese para a não renovação das habilitações seria problema relacionado à saúde do empresário. Três especialistas consultados por O DIA afirmam que Marcelo tinha pouca experiência, pois não poderia computar horas de voos com permissões vencidas.

Foto: Reprodução / Site Anac
Sem carteira regularizada, o empresário também não poderia fazer planos de voos para trajetos longos, o que é recomendado pela Anac. Já para rotas curtas — o trajeto da noite de sexta-feira duraria cerca de dez minutos —, a norma é que o piloto notifique a agência. O órgão regulador informou que não vai se pronunciar enquanto durarem as investigações.

Marinha avisou sobre mau tempo

O mau tempo pode ter sido uma das causas do acidente. Segundo a Marinha, na sexta-feira havia um aviso de condições meteorológicas desfavoráveis para a região e, na hora da queda, chovia fino e ventava. A Aeronáutica, no entanto, informou que durante o voo o piloto não fez contato com o controle de tráfego aéreo local para informar sobre anormalidades.

As buscas pelos desaparecidos com mergulhadores e helicópteros foram interrompidas no fim da tarde de ontem devido à pouca visibilidade. Mas dois navios da Marinha permaneceram no local, um deles com sonar. O equipamento pode ajudar a encontrar no fundo do mar o corpo da aeronave, perto de onde pode haver vítimas. As buscas serão retomadas hoje.

A investigação da queda do helicóptero está a cargo do 2º Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidente da Aeronáutica, em Recife (PE).

Menino morto no desastre é enterrado à noite no Rio

Entre os desaparecidos está Mariana Noleto, de 20 anos, namorada de Marco Antonio Cabral, filho de Sérgio Cabral. O governador continuará no Sul da Bahia acompanhando as buscas às vítimas. “Para nós, enquanto não acharem, ela estará desaparecida. Estamos rezando”, disse o tio da jovem, Victor Massena. Também não foram encontrados o piloto Marcelo de Almeida e Jordana Kfuri.

Ontem à noite, os corpos de Lucas, Fernanda e Gabriel Kfuri — filho, irmã e sobrinho de Jordana — chegaram ao Rio em um avião da FAB. Lucas, de 3 anos, foi enterrado ontem, por volta das 20h, no Cemitério São João Batista, em Botafogo.

Os outros dois enterros também ocorrerão no mesmo cemitério. Gabriel, de 2 anos, era filho de Bruno Gouveia, vocalista da banda Biquini Cavadão, primeiro marido de Fernanda.

“Não sei como consolar um filho que perdeu um filho. Se alguém souber, me ensina”, disse, chorando, a mãe de Bruno, Ana Gouveia. A babá das crianças, Norma Batista de Assunção, será enterrada na Bahia.

Investimento de milhões em resort de luxo

O Jacumã Ocean Resort, para onde ia o helicóptero, é um empreendimento milionário no Sul da Bahia. Construído por seis empresários, é destino frequente de integrantes da alta sociedade carioca.
Um dos sócios era o piloto Marcelo Almeida, da incorporadora The First Class Group.

Apenas em infraestrutura, os empresários já investiram R$ 7 milhões no resort. A manutenção e despesas com os 50 empregados do resort custam R$ 120 mil por mês. Para entrar no local, só com a aprovação de todos os sócios.

Fonte: Leslie Leitão (O Dia)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.

Rastreamento da estação espacial