100 anos do primeiro porta aviões



Foi somente alguns anos depois da invenção do avião que os homens perceberam que aviões poderiam ser lançados de um navio. Hoje, um dia após o 100º aniversário do porta-aviões, aqui está a história do primeiro homem a fazer isso.

Cem anos é um tempão. Mesmo na hierarquia das maravilhas modernas, a habilidade de receber e lançar um avião do convés de um navio em movimento destaca-se como uma das mais marcantes conquistas do homem.

A aviação naval foi inventada há cem anos, no dia 18 de janeiro de 1911, quando um piloto acrobata chamado Eugene B. Ely completou o primeiro pouso bem-sucedido em um navio. Aconteceu na baía de São Francisco, a bordo do USS Pennsylvania, que tinha uma pista de pouso temporária de madeira, com 40 metros de extensão sobre seu convés. 


Ely completou seu feito somente oito anos depois do primeiro voo dos irmãos Wright (e cinco anos depois do 14 Bis, e vamos deixar essa polêmica de lado por enquanto, ok?). Seu avião era rudimentar: um biplano Curtiss Modelo D “pusher” (com a hélice de propulsão virada para trás, “empurrando” o avião) equipado com um V8 de 60 cv que dava uma velocidade de cruzeiro de 80 km/h. Para ter uma ideia de quão simples ele era, veja uma réplica moderna do Curtiss 1911 de Ely que foi construído para celebrar o centenário. Não parece que vai desmontar?


Mas na época a inovação estava em andamento: Ely havia instalado em seu Curtiss uma nova invenção chamada gancho de parada. A ideia era parar rapidamente a aeronave usando o gancho para agarrar um dos 22 cabos – cada um preso a cerca de 30 cm do chão a um saco de areia de 25 kg em cada ponta ao longo da pista improvisada no convés.


Mark J. Denger do California Center for Military History escreveu uma biografia de Eugene Ely na qual narra o dia histórico:

“Na manhã de 18 de janeiro de 1911, Eugene Ely em um biplano Curtiss especialmente equipado com ganchos em seu eixo, decolou do campo Selfridge em direção à baía de São Francisco. Depois de 10 minutos voando ao Norte em direção à Goat Island, Eugene avistou seu alvo através da névoa acizentada, o Pennsylvania. ”

“O avião de Ely foi avistado pela primeira vez a meio quilômetro do Pennsylvania a uma altitude de 1500 pés (450 metros) a uma velocidade de aproximadamente 100 km/h. Agora a 15 quilômetros de Tanforan, ele circulou sobre vários navios da Frota do Pacífico ancorados em San Francisco. O avião baixou para 400 metros, passou diretamente sobre o Maryland e, ainda reduzindo a altitude sobrevoou o arco de West Virginia a uma altura de apenas 30 metros. Com um vento cruzado de quase 30 km/h, ele passou pelo cruzador e, em seguida, a 500 metros a estibordo do Pennsylvania, estabeleceu seu procedimento de pouso. Ely foi então direto para o navio, cortando o motor quando estava a apenas 25 metros da popa, e usou o vento para planar a aeronave até a pista de pouso. A uma velocidade de 65 km/h Ely desembarcou na linha central do convés do Pennsylvania às 11:01.”


“O movimento de seu avião foi rapidamente retardado pelas cordas esticadas entre os grandes sacos de areia. 


Quando o avião pousou, os ganchos agarraram as cordas, exatamente como planejado, o que resultou na parada completa do avião.”

Uma vez a bordo do Pennsylvania, Ely foi parabenizado com um bombardeio de aplausos, buzinas de navios e apitos, tanto do Pennsylvania quanto dos navios que estavam por perto.


Ely foi imediatamente recebido por sua esposa, Mabel, que disse um estusiasmado “Eu sabia que você conseguiria” e depois pelo Capitão Pond, Comandante do Pennsylvania. Depois foi a hora de entrevistas e algumas fotografias. ‘Tudo correu exatamente como planejado. Pond chamou o feito de “o pouso mais importante desde que o pombo pousou na Arca de Noé’. Pont mais tarde relatou que nada foi danificado e Ely era o homem mais tranquilo a bordo.

 
“Depois de completar várias entrevistas, Ely foi acompanhado pelo Capitão Pond à sua cabine, onde ele e sua esposa foram os convidados de honda do almoço dos oficiais. Enquanto comiam, a plataforma de pouso foi arrumada e o avião foi virado para decolar. O casal e o Capitão Pond posaram para fotos e 57 minutos depois ele fez uma decolagem perfeita da plataforma, retornando ao Selfridge Fiel no autódromo Tanforan, onde outra multidão o aguardava.


 
“Tanto o pouso, quanto a decolagem foram testemunhados por vários membros distintos do Exército e da Marinha dos EUA, bem como oficiais militares. Ely conseguiu demostrar com sucesso a possibilidade de fazer um navio porta-aviões.” 

O primeiro porta-aviões da marinha dos EUA, o USS Langley foi encomendado em 1922, onze anos mais tarde. Mas Ely não viveu para testemunhar o fato. Ele morreu poucos meses depois de seu voo histórico, em 11 de outubro de 1911, quando foi arremessado de seu avião em um acidente ocorrido durante uma exibição. Mas 100 anos atrás ele uniu a força dos navios de guerra e da aviação de um modo ainda hoje avançado.





Fonte: Jolopnik

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.

Rastreamento da estação espacial