A historia da Iberia Linhas Aéreas de Espanha


A Iberia se formou como empresa de bandeira espanhola em 7 de Julho de 1940 mas sua história porém começou em 1921, vamos entender um pouco mais.

Em 13 de março de 1929 a CLASSA – Concesionaria Lineas Aereas Subvencionades, era criada para operar voos de Madrid para Barcelona, Canarias e Biarritz. Em 1932 a empresa foi dissolvida e repassada a LAPE – Lineas Aereas Postales Espanolas, porém está com um propósito bem mais internacional com voos para Paris, Berlin e Geneva, utilizando um Fokker F7 e um Ford Trimotor. Em 1933 comprou em Douglas DC-2. Com a guerra civil espanhola no início de 1936, a LAPE suspendeu suas operações. Em 1940, com várias pequenas empresas atuando, o governo espanhol forçou estas empresas a formarem uma única empresa e forte, e foi assim que a Ibéria apareceu em 1940 com os Junkers Ju-52 e 53 que eram utilizados pela Lufthansa na Espanha durante os anos 30.
Rapidamente a Iberia utilizou os Douglas C-47 Dakotas que foram abandonados na Espanha pela USAAF. As três aeronaves militares foram convertidas para passageiros.
Em 1946, após a II Guerra, foram adquiridas aeronaves Douglas DC-4. Algumas dessas aeronaves iniciaram importantes serviços internacionais para a Europa, como Roma e Londres. Também foram usados nas rotas da América Central, porém, o longo percurso não fazia desta aeronave a ideal para a rota.
Em 22 de setembro de 1946 operava no Brasil com Douglas DC-4 na rota Madrid – Villa Cisneros – Natal – Rio de Janeiro – Montevideo – Buenos Aires.
Em julho de 1954 os Lockheed L1049E Super Constellations foram introduzidos nos vôos de longa distância, inaugurando assim a rota de New York.
Em 1957 a Iberia recebeu os L1049G ‘Super-G’ Constellation e ainda chegaram os Convair 440 que substituíram os Dakota.
Em 1961 a Iberia entrou na era do avião a jato, com a chegada do Douglas DC-8-50 que gradativamente substituíram os Super Connies. Os Caravelles 6R foram encomendados um ano após e substituíram os DC-4. A empresa chegou a utilizar também os Caravelle 12R.
Em 1967 chegavam os Douglas DC-9-32 para substituir os Caravelles. Em 1970 o grande Douglas DC-8-63 era comprado. Em 1970 os Convair 440 eram substituídos por 3 Fokkers F28.
Em 1972 a Iberia encomendou 16 Boeing 727-200 para substituir os Caravelles, que foram passados a empresa charter Aviaco.
Em 1973, para substituir os Douglas DC-8-63, os Douglas DC-10 aterrizavam na espanhola Iberia. As aeronaves foram utilizadas em rotas de grande demanda de tráfego na Europa.
Para os voos transoceânicos, o Boeing 747-200 entraria no lugar dos DC-10, principalmente na rota de New York. Os DC-10 permaneceram em várias dessas rotas ainda, por que, em 1981, com a chegada dos Airbus A300, a Iberia tinha um novo equipamento para as rotas de médio alcance.
Em 1984 a empresa operava três vôos semanais para o Rio de Janeiro com Douglas DC-10-30. Em 88 aumentou para quatro voos semanais para São Paulo via Rio e um Rio – Buenos Aires. Nos anos 80 ainda chegaram os Boeing 737-300 e 757-200 e nos anos 90 17 McDonnell-Douglas MD-87 chegaram para substituir 29 Douglas DC-9.
Em 1993 a Ibéria adquiriu 20% da Aerolineas Argentinas. Em 1995 passou a ter 83% e no final dos anos 90 se retirou da administração da empresa.
A VIASA, da Venezuela, também foi adquirida pela Iberia. Porém, com várias complicações financeiras, a Iberia se retirou de sua administração e consequentemente viu a VIASA cessar suas operações.
Em meados de 90 chegaram vários Airbus A320 para repassar os DC-9 que ainda estavam na frota. Em 1996 a Iberia passou a utilizar o Airbus A340-300 na rota para São Paulo, Bogota, Mexico e New York. Em 1997 a Iberia opera para Madrid quatro frequencias com Boeing 747-200 partindo do Rio e cinco com Airbus A340 partindo de São Paulo. Em 1999 chegou o Boeing 767-300ER e Airbus A340. Neste ano seus vôos para o Brasil eram alternados entre o Douglas DC-10-30 e o Boeing 767-300ER.
Em 2000 São Paulo era atendida seis vezes por semana com o Airbus A340-300 e o Boeing 767-300ER atendia o Rio de Janeiro outras três vezes. Em 2001 o Rio ganhou duas frequencias extras com o Airbus A340-300. No final de 2003 a rota Rio – Madrid ganhou o Airbus A340-600.
Em janeiro de 2007 lançou serviços para Algers, em março para Bucareste e em junho Boston. Moscou, S.Petersburg e Washington.
Atualmente (junho/2010) opera para Madrid com 7 voos do Rio de Janeiro e 14 de São Paulo.
Fundação: 1927
Controle: 54% investidores privados, 10% Caja Madrid, 9% British Airways, 7.3% BBVA, 6.1% com funcionários, 5.4% SEPI, 3% Corte Inges, 3% Ahorro Corporacion, 1% American Airlines
Participação: Air Europa 10% e 1.3% Royal Air Maroc
Alimentadora: Air Nostrum
Codeshare: CSA, El Al, Maersk Air, Mexicana, Royal Air Maroc, Royal Jordanian, SN Brussels, Swiss, Syrian Arab Airlines, Ukraine e Tarom.
Frota atual: 23 Airbus A319-110, 37 Airbus A320-210, 19 Airbus A321-210, 18 Airbus A340-310, 15 Airbus A340-640
Cidades: Opera de Barcelona e Madrid para Cairo, Dakar, Johannesburg, Lagos, Malabo e Marrakech na África. Na Europa atende 25 cidades. No Oriente médio atende Tel Aviv. Na América do Norte serve Chicago, Miami e New York. Nas Américas do Sul e Central atende 15 cidades, entre elas Bogota, Buenos Aires, Caracas, Havana, Lima, Quito e Sao Paulo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.

Rastreamento da estação espacial